sábado, 29 de outubro de 2016

Pensei em excluir esse blog....


Bem pensei hoje em excluir esse blog, mas não conseguirei, pois meu coração hoje estás triste demais.....
Temos que ser gratos pelas coisas, por tudo que temos, mas..... as vezes as coisas são tão pesadas, tão fortes, tão marcantes e impactantes que te deixam desanimadas e tristes.
Meu pai sempre quis jogar os problemas dele para cima da família dele, e todas as suas dívidas e compromissos também..... Ele é irresponsável financeiramente, e nos fere muito.
Ele emprestou meu nome e do meu irmão e sujou ( estamos no SPC e SERASA) por causa dele, e ele não assume suas dívidas, diz que o problema é nosso. Fora o fiador do FIES que era amigo dele e entrou na justiça porque ele não cumpriu em pagar o FIES, e eu nunca consegui emprego pelo meu nome estar sujo. Sempre dizem que vão guardar o currículum para novas oportunidades. Não tenho condição de mudar com meu esposo porque mal temos dinheiro, ele trabalha, mas..... ganha pouco.
Meu pai atrapalhou minha vida, e hoje luto para sair dessa situação fora o Bullyng que sofri, meu pai ajudou a isso ocorrer.
Não sei como sair dessa situação,
Estou triste demais.
Desculpem meu desabafo, mas não aguento mais essa situação.

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Sonhos....tristeza....


Este blog é para eu contar minhas experiências e contar como estou me sentindo, me desabafar, porque as vezes não temos amigos que possamos fazer, ou não queremos preocupar nossos familiares.
Hoje eu acordei com o coração triste, desanimada, tem dias que acordamos ou estamos assim. Sei que temos que nos animar e seguir em frente, mas estava analisando minha vida....
Eu tenho e tinha sonhos que alguns não pude realizar, em partes me sinto frustada.....mas em quanto há vida , há esperanças né?
Como colocarei esse texto nas redes sociais, espero que não me julguem, nem venham me disser que estou me fazendo de vítima, estou só desabafando.....
Um dos meus sonhos é poder ajudar quem mais precisa tanto animais como pessoas, mas idéias tenho só me falta a parte financeira. É pois desempregada, fazendo bico, mal dando para pagar minhas contas e dívidas, dívidas que outros fizeram em meu nome e não pude conseguir emprego por ele estar sujo, dívida da faculdade que meu pai prometeu honrar e não pagou, e as pessoas acham que ele fez algo. Minha mãe o defende e que não é para contar para ninguém, mas....já está engasgado em minha garganta de tal forma que sei que quem terá que pagar essas dívidas que meu pai fez sou eu, só que sem emprego , mesmo formada, não tenho como. Meu esposo, não ganha bem, ganha pouco e para piorar nós dois vivemos de favor na casa dos meus pais, pois não temos condições para se mudar. Logo como vou ajudar alguém se quem precisa de ajuda sou eu?
Outro sonho que tenho é poder fazer nova faculdade, conseguir emprego e ganhar meu salário e depois montar algo meu, mas como? Não tenho condições nenhuma disso. 
Sabe hoje analisando muitas coisas estou triste demais, não é depressão, e tristeza momentânea por estar pensando nas coisas e por querer realizar meus sonhos, e estar parada no tempo. Com 33 anos vendo a vida voar e não fazer nada é ruim.
E começo a me culpar, começo a achar que é meu jeito de ser que não consigo uma vaga de emprego, que nas entrevistas as pessoas não vão com minha "cara", entre outras situações, penso em mudar em não ser mais eu.
Meu coração está apertadinho, dolorido, vontade de chorar. 
Nem sempre tristeza ou choro é sinal de fraqueza, muitas vezes é livramento da dor que sentimos na alma.
Quero ter condições para realizar meus sonhos, e me entristece ver eles indo embora.
É isso.

domingo, 9 de outubro de 2016

Perfil das Vítimas de Bullying e estatuto da Criança e do Adolescente





E

É muito indo o Estatuto da Criança e do Adolescente, na minha época já tinha..... mas não funcionava em nada, os professores agrediam psicologicamente, os colegas de classe também, alguém fazia alguma coisa, nem orientação psicológica tínhamos na escola.

As escolas no mundo todo falham e prejudicam até o futuro de suas crianças e de seus adolescentes, vou colocar um texto aqui, se você possui uma dessas características, procure uma ajuda psicológica ( um psicologo), peça orientação do que fazer.
Os estudiosos citam uma característica comum aos alvos de bullying: em geral são extremamente passivos, tendem a ser inseguros e não se defendem ( Winkler, 2005; Voors, 2000). Olweus (1993), o primeiro grande estudioso do comportamento bullying, afirma que as vítimas são mais ansiosas e inseguras, solitárias e abandonadas na escola, têm baixa autoestima e em geral reagem aos ataques chorando ou se retraindo.
Outra característica comum nas vítimas de bullying é ser diferente de alguma forma. São aqueles que se vestem de uma forma diferente, que são gordos, ruivos ou sardentos numa sala em que o `normal`não é isto, de outra raça, religião, etc. Em resumo, que apresentam algum traço que `os coloca em desvantagem segundo o ambiente em que vivem`(Neremberg in Winkler, 2005).
Para fins mais didáticos apresento abaixo um possível perfil das vítimas embora, é claro, não exista um perfil único:
  • Normalmente são caladas, cautelosas, sensíveis e podem chorar facilmente;
  • Podem ser inseguras, ter pouca confiança e sofrer de baixa auto-estima;
  • Geralmente têm poucos amigos e são socialmente isoladas;
  • Têm medo de serem feridas;
  • Podem ser ansiosas ou deprimidas;
  • Tendem a ser fisicamente mais fracas que seus agressores (especialmente no caso de meninos);
  • Podem preferir passar mais tempo com adultos (pais, professores, auxiliares) do que com colegas da mesma idade.
Ao falarmos sobre as vítimas de bullying é preciso não colocar jamais a culpa na vítima. Como enfaticamente afirma Coloroso (2003)
Ninguém merece sofrer bullying! Crianças que apresentam comportamentos que aborrecem ou divertem seus agressores ainda assim têm o direito de serem tratadas com dignidade e respeito, como qualquer outro!
FONTE: http://bullying8e.blogspot.com.br/p/perfil-das-vitimas-de-bullying.html



6 parte: Vítima de Bullying ou Assédio Moral.


Será que somente na escola sofremos preconceitos?
O que as pessoas pensam e acham que são?

Como nos posts anteriores, contei resumidamente vivência das escolas e faculdade que estudei, agora vou lhes contar sobre os trabalhos que passei humilhação e assédios.
As vítimas de Bullying, se tornam pessoas com auto estima baixa, comprometendo todo seu futuro, seu psicológico, me tornei antissocial, e não confio nas pessoas, pois como disse, elas são más, interesseiras, egoístas. Se nas épocas eu tivesse dinheiro e roupas de marca, ohhhhh que legal será nossa amiguinha, mas como eu era pobre e tinha só um par de sapatos velhos, ser obre não é motivo de vitimismo, mas na faculdade sim, as pessoas se acham superiores lá não pela inteligência, mas pelo poder financeiro que tem.
Agora vou falar das experiências ruins  no trabalho, tanto no setor privado como no público.
Não sou uma pessoa animada, falsa e que consegue fingir que gosta de todo mundo e que puxa o saco de chefes e colegas de trabalho, prefiro mostrar trabalho e mostrar que sou capaz, tento ser melhor a cada dia em qualquer função que eu tenha.
Mandava curriculum todos os dias, perdi as contas de tantos curriculuns que mandava, pois precisava e ainda preciso trabalhar, dinheiro para mim é escasso, repetindo, sou pobre, mas esforçada e estudiosa. Um dia me chamaram para uma entrevista de emprego, de mais de não sei quantos curriculuns que mandei, só um lugar me chamou, fui para a entrevista, achei estranho era no hall de entrada de um hotel, beleza, estava precisando, uma mulher me contratou na hora para dar aula, mas uma outra que era chefe dela não gostou muito, e me encarou e disse você sabe dar aula mesmo? E eu disse fui monitora na faculdade, claro que sei. Era uma ONG, e ia dar aula para curso técnico de beleza, mas..... não sabia a fria que tinha entrado, precisava do dinheiro 12 reais por aula hora,  Mas com o tempo passando, começaram a forçar para sair, mandaram um bandido na minha aula e me ameaçou se eu não ligasse o computador para ele, mandavam alnas contratadas por eles fazerem barraco na minha aula, e outras coisas mais, até um dia, uma aluna denunciou eles e eu virei o alvo por acharem que fui eu, então me demitiram e não me pagaram o que me deviam. Entrei na justiça, mas os juízes acreditaram na palavra do empregador, mesmo com provas gravadas e deu em nada.
Triste e desempregada de novo ( pois esse trabalho era só um bico), e eu já mandava curriculuns mesmo estando lá mas nada de me contratarem, fiquei 1 ano e meio mandando curriculum e nada.....
até que me chamaram para duas entrevistas, ambos eram em centro de estética, fui, e um deles me contratou, mas era outro bico, e com o tempo a gerente me ameaçava, pois meu conselho estava em cima deles, a gerente me deixou no escuro na sala de depilação a laser com uma cliente, saímos e o alarme tocou, foi muito chato, mas a gerente queria que eu saísse pois não queria mais o conselho da minha profissão em cima deles, preferiram contratar biomédicas, pois não tinham conselho e podiam pagar miséria de 300 a 600 reais, nada contra a profissão disse ela, mas é que é mais vantagem para a empresa. Novamente desempregada enviei curriculum para agora lar de idosos, e fui contratada, era muito bom trabalhar lá, os donos eram queridos, mas chegou uma técnica de enfermagem que queria se meter na minha profissão, eu uma doutora, não aceitei e fui fazer concurso público, passei numa prefeitura, toda feliz fui trabalhar lá achando que iria ter estabilidade. Cheguei nessa prefeitura passei por todo processo chato de admissão, e entrei, opa que maravilha estabilidade.... Só que não.
Primeiro, fui no RH para saber minha lotação, e fui muito mal direcionada, a mulher que estava lá foi mal educada e não queria tirar nenhuma dúvida. Aí ela me mandou para o setor de Educação e eu queria o setor de saúde, me colocaram numa mesa ao lado da minha chefe Luzia, ela todo santo dia me ameaçava com processo administrativo, eu fazendo meu trabalho e o dela e ela ameaçando ( não tinha ido com minha cara porque eu ia arrumada trabalhar e ela não), ai um dia ela apareceu com vestido e toda maquiada ( inveja pura), então me levou numa sala de reunião com outros gestores do setor, e disseram que iam me mandar para uma creche na região mais perigosa, ai uma das gestoras riu na minha cara e disse "tadinha ela gostava tanto de trabalhar aqui" Sai e chorei, chorei muito, fui no médico passei mal, e ele me deu atestado, no outro dia fui no mesmo RH para pedir transferência pois aguentava aquilo ha 6 meses e a diretora do RH disse que não podia me transferir, mesmo com assedio moral, que a melhor coisa era pedir exoneração, e eu pedi.
Novamente sem emprego, sem dinheiro, com dívidas altas da faculdade pois tinha que pagar a bolsa ( FIES).
Estudei novamente e consegui um trabalho temporário para dar aula para curso técnico. Mas passou o tempo e fiquei sem o emprego.
Hoje faço bicos, para ter algum dinheiro, mas passei poucas e boas nos poucos empregos que tive.
Bem posso dizer que o Bullying me atrapalhou, me deixou insegura, com auto estima baixa, mas luto a cada dia pois tem u SER SUPERIOR no céu me cuidando a cada dia.
Próximo post vou falar sobre a características das vítimas de Bullying.

sábado, 8 de outubro de 2016

5 Parte: Vítima de Bullying e Cyberbullyng

Formatura do 2 grau não teve eram poucos os alunos e todos estavam focados no vestibular, minha auto estima nessa época estava nas nuvens, minha atitude tinha mudado, pisei em cima do Kadu e nunca quis ficar com ele, foi maravilhoso essa mudança em mim.
Tentei o primeiro vestibular para um curso e não passei, pois essa escola  que eu estava não preparava para o vestibular, então comecei a fazer um cursinho pré vestibular num dos cursinhos mais famoso da cidade, fiz amigos queridos na época e comecei a namorar o primo de uma amiga, tudo estava indo bem.
Prestei o vestibular para um curso, e passei entrei numa turma bacana, fiz amizade com o pessoal, foi legal, até no nosso grupo entrar uma guria esquisita, que toda hora dizia que o pai era médico. Um dia eu e o Fernando dissemos para essa doida que faríamos o trabalho, ai essa louca disse que ela queria fazer e colocava nossos nomes, nos olhamos e permitimos, pois ela tinha dado a desculpa que ia viajar com o papai rico médico e que não poderia nos encontrar porque era feriado. Poxa se arrependimento matasse, eu e ele tínhamos tirado ela do grupo e feito o trabalho nos dois.
Adivinhem.....
A que queria chamar a atenção e  falsa, espalhou para a sala toda da faculdade que eu e o Fer não tínhamos feito nada, falou mal de nós dois e se afastou da gente.  Novamente uma turma bacana virou as costas para mim, me isolaram, mas tava nem ai porque tinha meu amigo, comecei a namorar com um rapaz da igreja, logo, logo iria ter meu pior pesadelo.
Mesmo com a turma infantil que ouviu só uma pessoa e não o nosso lado, ficamos isolados, fomos taxados de sem vergonhas preguiçosos, etc. Bem mas estava feliz pois estava namorando. Uhu...
Só que não.
No Inicio meu segundo namorado, pois o primeiro que era o primo de minha amiga tinha terminado com ele) era um doce ( durante 7 meses) levou flores na igreja, ia me buscar na faculdade, era um amor, mas depois dos 7 meses ele se transformou no demônio, uns dizem que ele era bipolar, outros dizem psicopatas, sei lá só sei que falava palavras que me magoavam, me ameaçava, entre outros abusos psicológicos, novamente minha auto estima foi diminuindo, e nessa época fiquei muito doente, quase morri por causa dele, peguei uma pneumonia grave e tive que trancar a faculdade 1 semestre.
Melhorei, mas continuei meu namoro com esse abusador, eu era obcecada por ele, um loiro estilo modelo sabe, e voltei para a faculdade, só que em outra turma.
Fui bem recebida ( sarcasmo), a primeira coisa que fizeram foi perguntar se eu era repetente, legal isso, podiam ter perguntado se tinha sido transferida, mas não repetente, isso demonstra uma maturidade grande. Depois veio uma louca do fundo e perguntou se meu nome começava com x letra ou não, porque se fosse ela ia morrer ( sarcasmo), é que ela queria ficar com um nome exclusivo porque a bonitona era loira alta, olhos azuis e modelo ( grandes coisas, pois tinha um cérebro de minhoca, nem sei como se formou, acho que papai deu propina para os professores). Minha auto estima já estava balada, estava já num grau alto de depressão e sou recepcionada desse jeito, mas ai tinha o grupo das "patricinhas inteligentes da turma" que me colocaram no grupo delas ( mas na verdade as bonitas queriam tirar uma mala que não fazia trabalho). Fiquei 1 semestre no grupo, mas comecei a ver que só uma queria fazer os trabalhos sozinha, e depois da experiencia anterior, não queria me tornar novamente a "palhaça" da turma e me isolei, minha sorte que vi uma moça num canto de capuz e fone de ouvido sozinha e me aliei a ela, fazia trabalho com ela durante 2 semestres ela ficou na turma, me contou que as meninas tinham humilhado uma outra menina, tinham espancado outra menina, então ela resolveu se isolar, então ela me disse que não estava aguentando mais a turma e me abandonou, indo para outra faculdade. Fiquei sozinha de novo e com um namorado que me maltratava, eu orava todo dia para Deus mudar ele porque precisava do apoio dele.
Namoramos 2 anos e ele terminou comigo, chorei demais, acho que por não ter amor próprio, por ter sido vítima e provavelmente sem amor próprio e além disso a depressão piorou, pensava em me matar, a recaída foi pior. Nesse tempo a faculdade eu estava isolada, passou o tempo estávamos no penúltimo período e entrou uma moça  que estava em dependência de matéria de estagio ( os dois últimos períodos é estágio), nunca fiquei tão feliz por alguém ter reprovado uma matéria, conhecia ela era nossa veterana, muito legal, Comecei a fazer trabalhos com ela, foi o paraíso esse penúltimo período. Minha saúde na época da faculdade estava demasiadamente debilitada, tanto na parte respiratória, quanto na saúde mental........a depressão e a vontade d eme matar era grande, tudo de ruim acontecia, quando entrava em minha sala sentia uma energia negativa tão grande, que não queria entrar, pedi para meus pais a transferência junto com minha coleguinha, mas meus pais negaram. Tive que aturá-los até o último período. Lembro uma vez que um professor dividiu a sala em duas para fazer o trabalho, cheguei no 1 grupo me mandaram falar com o 2 grupo e fui no 2 grupo e me mandaram falar com o primeiro, me fizeram de ping pong, aquele dia chorei demais, e fui me consultar com um professor que era psicologo para pedir apoio, chorei como nunca, então parei de chorar e soluçar, e fui  falar com o professor que era responsável do trabalho, ele foi solicito me pediu para entregar um trabalho escrito para não passar por mais situações constrangedoras. Então desde o 5 período pedia para a diretora para fazer trabalho de TCC sozinha e ela dizia que sim, mas chegou no 6 período o orientador de TCC não queria deixar. Implorei para ele e não, então entrou duas moças novas na sala que também ficaram isoladas da turma por serem "alienígenas" , e o orientador mandou fazer com elas. Elas não queriam fazer o TCC, elas queriam comprar, então falaram mal de mim para o professor, só porque eu disse que não queria comprar. Um professor conversou comigo, então fui falar com esse orientador de TCC e implorei, quase de joelhos e chorando para fazer sozinha ai ele cedeu, mas me deu uma recomendação, que não queria nenhum Leonardo ( um menino que fez cópia de outro TCC e estava sofrendo processo), sai d ela sem lágrimas mais nos olhos e sorrindo, odiava aquela turma e odiava alguns professores que também me humilhavam. Eu não era rica, tinha um único tênis, era bolsista, lembro uma vez que um professor chutou meu tênis no estágio pois era creme e não branco. Um outro professor zombando dos bolsistas junto com minhas colegas de classe, pois pobre segundo eles não precisa estudar. Foi uma faca em meu peito.
Fiz meu TCC sem plágio em 6 meses, entreguei na data estipulada, apresentei sozinha, enquanto as outras tiveram 1 ano e 6 meses e um grupo de 4 a 5 meninas, eu estava sozinha e tive só 6 meses para fazer.
Consegui, me formei, depois da apresentação sai de la vitoriosa, chorei mas foi um choro de alegria por ter passado por aquilo e ter conseguido finalizar, me formar.
Fiz a formatura especial, pois as meninas falavam mal de mim via internet, pois é sofri cyberbulling, a menina que tinha ficado em dependência me contava e me mostrava o que falavam no grupo do facebook, diziam que não queriam pobre e nem idiotas na gloriosa formatura no palácio do Batel......entre outras coisas que sabia, teve uma vez que a individua que me recepcionou perguntando meu nome disse assim tem gente aqui olhando para mim que deve se prostituir para fazer uma faculdade por ser pobre. Eu era bolsista, bolsista, não era rica, mas tinha bolsa de estudo e a pessoa me julgou assim, sem me conhecer, sem ter ido na minha casa. Serio, tem um povo doente da cabeça que só enxerga seu umbigo.
Mas o importante que venci. Hoje sou casada, tenho meu emprego e sou feliz. Claro que quero mais, muito mais, mas se não fosse Deus me dá forças, mesmo na adversidade, eu teria parado tudo, pois essas pessoas são malvadas, imaginem o que elas não fazem. Uns diziam que era imaturidade, mas imaturidade com 20 e poucos anos, eu acho que é mais o coração podre, mal e cruel. Mas DEUS dará o troco, não precisava eu pensar em coisas ruins, só preciso colocar as coisas nas mãos de Deus, pois ELE fará justiça, tudo que fizer de mal voltará e tudo que fizer de bom também.
Bem na próxima parte 6 falarei do Assédio Moral que não deixa de ser Bullying que sofri nas empresas que trabalhei.e finalizarei essa vivencia.

4 Parte: Vítima de bullying

Aquele inferno do 1 grau havia acabado, agora vida nova, mudei de escola, fui para uma escola particular, legal era no centro da cidade, uma escola que aparentava ter educação rígida por ser uma das primeiras escolas da cidade. 
Então 2 Grau, opa deve ser igual a escola americana que assistia nos filmes, mas desta vez serei popular, não serei mais tímida, sou linda e vou chamar a atenção. Só que a boba aqui esqueceu de um detalhe estava gorda, acima do peso, adolescência engordamos pois estamos em fase de crescimento dizia meus pais. Aham cheguei na escola nova, com batom na boca, estava com 14 anos ( nunca reprovei), cabelo solto, ansiedade há mil por hora, na noite anterior mal podia dormir, acordei cedo animada, passei rímel também, fui toda maquiada e perfumada. Estava demasiadamente empolgada com o primeiro dia de aula, novas pessoas, com certeza iria fazer amigos.
Não deu outra cheguei na sala e as meninas mais populares eram 4 da escola, pois estudaram lá desde o Jardim, me recepcionaram bem, me tornei uma das populares, mas isso só durou 3 meses. 
No 3 mês que estava lá queimei minha perna pela inalação na época com produto inalatório e água quente,  então fiquei tinha afastada da aula durante 2 meses, quando voltei tinha que usar roupas leves ( somente saias) porque estava ainda cicatrizando minhas pernas. E a primeira aula que tinha aquele dia era uma matéria que odeio até hoje ( Educação Física), pois a maioria dos nerd´s são péssimos nessa matéria, e eu porque estava com saia não podia fazer, logo começou a zombaria pelo professor de Educação Física, é mais um professor fazendo Bullying, legal isso, e como a turma a maior parte curtia esse professor, me dei mal, pois as populares me isolaram, fiquei com amizade com as duas meninas que eram também motivos de bullying, no primeiro ano elas ainda estavam lá. Mas elas foram transferidas no 2 ano para outra escola, e nessa época fiquei sozinha, novamente. Então não me dei por vencida, ja tinha pensado mesmo as "patricinhas de beverly hills" zuando de mim, pois voltei a depressão, recai novamente, mas tinha um professor de ensino religioso que me dava apoio espiritual na época e falava palavras maravilhosas sobre Deus, ele e sua esposa me ajudaram muito. Então fiz amizade com um grupo dos baderneiros, é a nerd resolveu fazer amizade com quem estava fazendo bullying, assim me livraria de 55% das zombarias. E dito e feito, fiz amizade com as duas meninas que sempre praticavam Bullying, elas eram inteligentes, mas revoltadas por serem bolsistas e as meninas que elas conheciam da sala estudaram com elas desde o jardim. 
As zombarias continuaram, pois as patricinhas continuaram zoando, ainda mais que nessa época falei para o professor que queria seguir a vida religiosa e ir para um convento..... logo os meninos e essas individuas fizeram o Bullyng em 45%, mas Deus me deu forças, e tinha esse grupo das revoltadas as quais faziam trabalho comigo, me sentia um pouco mais a vontade, apesar da timidez, estava um pouco mais animada e a depressão tinha diminuível drasticamente.
No terceiro ano como só ficaram 10 alunos no colégio ele foi um pouco sossegado, tirando 3 meninos que zombavam de mim sempre, cantavam músicas para zombar, jogavam papelzinho, não me senti sozinha porque entraram novos alunos bolsistas eram 4 bolsista e eu que não era bolsista e os outros 5 meninos que eram da minha antiga turma, apesar um dos 3  de apelido Kadu que faziam Bullying me revelar no final que na verdade ele fazia isso porque queria chamar minha atenção porque era afim de mim, e começou a tentar me conquistar todo dia levando minha mala para a sala de aula.
Nessa época mudei de atitude, cortei o cabelo curto, pintei de ruivo, mudei todo o visual, e deu certo.
Mas não ia durar por muito tempo.
Parte 5 contarei o que diminuiu e novo minha auto estima, e o bullying que sofri na FACULDADE. É o pessoal na faculdade também faz Bullying.

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

3 Parte :Vítima de Bullying!!



Depressão na adolescência é bobagem...... pare de frescura...... você é muito mimada..... Não vamos no psicologo, ele é para tratar de loucos........Você precisa é fazer novos amigos.....
Ah! 5 serie a 8 serie, eu já sabia que não ia mudar nada e que só iria piorar......
Como disse no post anterior, entrei na inclusão social da escola, oh que legal!!! Só que não.
Pois eu não era uma criança/adolescente especial,segundo a psicopedagoga da escola particular disse que eu era todos acreditaram. Sim tinha dificuldade em Matemática e em Inglês ( pois não tinha e nunca tive professores tão bons nessas matérias), mas as outras eu tirava notas acima de 8, nas escolas acham que se você vai mal numa matéria, você tem problemas.
Logo sofri Bullying com uma professora de Matemática, ela zombava dos alunos que tinham entrado nessa "inclusão social", então uma vez passei mal estava com enjoo e náuseas e pedi para essa individua que era professora para ir no banheiro, ela me negou, infelizmente vomitei em cima dos cadernos e do livro de matemática..... Ai que vergonha! Além disso eu era tímida e envergonhada. Depois disso virei a zombaria da escola.
Me sentia só, entrei em depressão, me isolei, não tinha amigos(as) queria sumir, da 5 a 8 serie as vezes nem queria acordar para ir para a aula, mas ia obrigada.
Era difícil demais, lembro de duas meninas que eram as populares Xoxo e Nanda, elas judiavam de mim psicologicamente, nunca me bateram, mas palavras machucam muito mais, palavras matam aos pouquinhos, risadinhas, falar mal por detrás como se você fosse uma idiota ( ficam subestimando sua inteligencia), isso fere igual a uma facada na alma.
Pensava muitas vezes em me matar ou matar a humanidade, comecei a ter ódio da humanidade em si, queria dominar o mundo e matar todos que me contrariassem, meu coração magoado, ferido, virou pedra. Simplesmente odiava as pessoas que me feriram, mas todos deviam pagar pelo mal que me fizeram.
O tempo passou, a escola acabou, me formei,e fui para o ensino médio.
Parte 4 vou falar do Ensino Médio.

terça-feira, 4 de outubro de 2016

2 Parte: Vítima de Bullying!!


Ás vezes não entendemos o por que somos tão perseguidos, importunados, humilhados.......
As vítimas de Bullying ficam com marcas que elas levam para a vida toda. Eu era uma dessas crianças ingenuas, boas e quietinhas, sempre na minha, mas queria me socializar, queria poder ter amigos. Sempre fui sozinha meu primo mais velho e que vinha as vezes brincar era de outro estado e só vinha em ocasiões especiais, pois ninguém da minha família eram abastados financeiramente. meu irmão sempre mais novo que eu, logo não tinha com quem brincar.
Fui para a escola com 4 anos, felicidade ia fazer amiguinhas, brincar a vontade, e estudar...... minha escola nessa época era particular e entrei no Jardim I.....EEEEEE Festaaaaaa......
Que engano,ingenuidade pura..... ao entrar já senti a hostilidade das outras crianças, pois elas eram mais abastadas financeiras que eu, tinham tênis de marca, roupas de marca, e tudo de marca, mochila, penal, etc.... tudo chique. Lembro das crianças falarem assim sabe minha mãe comprou minha roupa na X loja de marca ( não posso colocar nomes, serão substituídos por nomes falsos). e outra falando sabe fui para um certo parque nos Estados Unidos final de ano e a outra fui para um certo parque em Santa Catarina, ai chegaram e me perguntaram para onde eu fui, aí eu disse a verdade fui na casa da minha tia em Santa Catarina. As crianças isso no 5 dia de aula caíram na gargalhada, e depois disso minha vida virou o inferno. Era papelzinho colado na roupa, zuavam dos penteados que minha mãe fazia, jogavam papelzinho em mim, lembro uma vez estar indo levar os papeis que a professora pediu ( pois eu ajudava a professora sempre) queria ser prestativa, duas crianças malvadas colocaram as pernas para eu cair e eu não olhei, pois estava olhando para os papeis e as crianças que precisava levar e cai me ralei toda, machuquei minhas mãos o joelho e a boca. Foi dolorido demais...... O tempo passou e foi assim ate a terceira serie, nas outras series as professoras cuidavam ate de mim do jardim I a segunda serie tive professoras que eram queridas colocavam do lado das cadeiras delas para isso não acontecer, mas quando elas saiam..... o inferno da minha vida recomeçava, quando a professora voltava ah alivio. Voltando a 3 serie, além das crianças  a professora também fazia Bullying, é ela e a psicopedagoga falavam para meus pais e para mim que eu era retardada, além dos meus coleguinhas, as duas faziam bullying, eu as vezes fugia da sala dela e ia para a sala das outras professoras que eu gostava ou da diretora, uma vez achei no chão uma caneta que queria muitooooo sabe aquelas multicoloridas? ai meu pai e eu fomos e levamos para a professora quando ele me buscou, entreguei para ela, e no outro dia a desgraçada da professora Claudia da 3 serie estava com essa caneta ( a mesma) pendurada no pescoço e olhava para mim e dava risadinha.
Troquei de escola pois meus pais estavam com dificuldades, fui na metade da 3 serie para uma escola pública.....
Eba, crianças simples, crianças mais acessíveis para brincar. novamente me enganei, primeiro porque a psicopedagoga idiota da escola particular  mandou uma carta de recomendação que eu era uma criança especial ( eu não era mas por ser quietinha ela achava que eu era) para a nova escola, e a diretora falou que não tinha vagas nas classes normais, e me botou na classe especial. A Classe especial foi até a quarta serie, e nosso "recreio" era separado das crianças normais. A gente saia antes e entrava antes do "recreio". Aí na 5 série teve a Inclusão Social. Imagine alguém que tava numa classe especial ir para uma classe normal...... Imaginem o que aconteceu da 5 a 8 série.
Bem até a Parte 3 contarei lá tudo que passei nessas séries.


1 parte: Vítima de Bullying!!!


Não é fácil para mim falar sobre o assunto, esses dias conversando com uma pessoa me fez lembrar de tudo que sofri desde a infância até a fase adulta, bem quando somos crianças chamam de  Bullying e quando estamos na fase adulta se torna assedio moral e agressão Física ( mas não deixa de ser a mesma coisa). Essa primeira parte vou explicar o que são os dois:

O que é Bullyng?
Bullying (IPA[ˈbʊljɪŋ]) é um anglicismo utilizado para descrever atos de violência física ou psicológica intencionais e repetidos, praticados por um indivíduo ou grupo de indivíduos, causando dor e angústia e sendo executadas dentro de uma relação desigual de poder.[1] bullying é um problema mundial, sendo que a agressão física ou moral repetitiva deixa sequelas psicológicas na pessoa atingida.
O termo com esta definição foi proposto após o Massacre de Columbine, ocorrido nos Estados Unidos no ano de 1999, pelo pesquisador sueco Dan Olweus, a partir do gerúndio do verbo inglês to bully (que tem acepção de "tiranizar, oprimir, ameaçar ou amedrontar") para definir os valentões que, nas escolas, procuram intimidar os colegas que trata como inferiores.[2]
Embora o termo tenha seu uso bastante recente, o fenômeno é bastante antigo e encontra relatos na literatura que datam de mais de cem anos; a prática tem um grande poder de destruir a auto-estima da vítima, pois esta precisa permanecer no ambiente escolar e enfrentar todos os dias as humilhações diante de todos os colegas.[2]
O que é Assedio Moral?
Assédio moral é a exposição de alguém a situações humilhantes e constrangedoras, repetitivas e prolongadas durante a jornada de trabalho e no exercício de suas funções.
São mais comuns em relações hierárquicas autoritárias e assimétricas, em que predominam condutas negativas, relações desumanas e antiéticas de longa duração, de um ou mais chefes dirigida a um ou mais subordinado(s), desestabilizando a relação da vítima com o ambiente de trabalho e a organização.
A psiquiatra francesa Marie-France Hirigoyen (2000), uma das primeiras estudiosas a se preocupar com o assédio moral no trabalho, da perspectiva de sua especialidade, entende o mesmo como sendo qualquer conduta abusiva, configurada através de gestos, palavras, comportamentos inadequados e atitudes que fogem do que é comumente é aceito pela sociedade. Essa conduta abusiva, em razão de sua repetição ou sistematização, atenta contra a personalidade, dignidade ou integridade psíquica ou física de uma pessoa, ameaçando seu emprego ou degradando o ambiente de trabalho.
Para a pesquisadora do tema Margarida Barreto, que integra o grupo de profissionais responsável pelo site ’Assédio moral no trabalho. Chega de humilhação!’, o assédio moral não é uma doença, mas um risco não visível no ambiente de trabalho. Quando se identifica o assédio moral como doença, a tendência é de culpabilizar o trabalhador e de colocar a discussão no marco da biologia. Isso leva a um reducionismo muito grande, pois isola o problema e retira da análise o contexto social, as formações socioeconômicas e o processo histórico. Deixa de se considerar a existência das pessoas em sociedade e o indivíduo em sua relação com o outro, num cenário específico, que é o mundo do trabalho com a lógica do lucro.
O dicionário nos diz que “assédio” significa, entre outras coisas, insistência inoportuna junto a alguém, com perguntas, propostas e pretensões, dentre outros sintomas. “Assediar”, por sua vez, significa perseguir com insistência, que é o mesmo que molestar, perturbar, aborrecer, incomodar, importunar. 
Por ser algo privado, a vítima precisa efetuar esforços dobrados para conseguir provar na justiça o que sofreu, mas é possível conseguir provas técnicas obtidas de documentos (atas de reunião, fichas de acompanhamento de desempenho, etc), além de testemunhas idôneas para falar sobre o assédio moral cometido.[1]

Assédio paritário

Ocorre de forma horizontal, quando um grupo isola e assedia um membro - parceiro. Principais causas é eliminar concorrentes, principalmente quando este indivíduo vem se destacando com frequência perante os superiores.

Assédio descendente

É o tipo mais comum de assédio, se dá de forma vertical, de cima (chefia) para baixo (subordinados). Principais causas é desestabilizar o trabalhador de forma que produza mais por menos, sempre com a impressão que não esta atingindo os objetivos da empresa, o que na maioria das vezes já foi ultrapassado e a meta revista por seus superiores.[2]

Assédio ascendente

Tipo mais raro de assédio, se dá de forma vertical, mas de baixo (subordinados) para cima (chefia). É mais difícil de acontecer, pois geralmente é praticado por um grupo contra a chefia, já que dificilmente um subordinado isoladamente conseguiria desestabilizar um superior. As principais causas são subordinados com ambição excessiva, onde geralmente, existe um ou dois que influenciam os demais, objetivando alcançar o lugar do superior e já tendo os subordinados como aliados, uma vez que estes o ajudaram a "derrubar" a antiga chefia, e, sentem-se parte do grupo de tomada de decisões.
Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Wikip%C3%A9dia:P%C3%A1gina_principal

Essa primeira parte e só uma introdução, as outras serão meus relatos de coisas que vivi.
até o próximo post :)